Anatomia Básica do Nariz

O Nariz, também conhecido como Pirâmide Nasal, é um órgão que confere relevância muito importante para a nossa função respiratória e harmonia estética facial. Historicamente, adquire até mesmo papel de “reputação” para um indivíduo.

Internamente, apresenta uma parede que divide os dois orifícios de entrada do ar, chamada de septo nasal, que é constituído por cartilagem, em sua porção mais externa, e por osso, mais profundamente. Ainda dentro do nariz, das suas paredes laterais, surgem os cornetos nasais (popularmente conhecidas como carnes esponjas), sendo 3 de cada lado: superior, média e inferior, tendo as principais funções de umidificar, aquecer e filtrar o ar. Entretanto, quando o volume delas aumenta, podem ser uma das principais causas de congestão nasal, assim como alguns desvios de septo. Todas essas estruturas são “forradas” por um tecido chamado de mucosa semelhante à da bochecha interna da boca.

Externamente, é composto por: pele, músculos, tecido subcutâneo, cartilagem e osso. Esses componentes estão intimamente interligados para dar estruturação e forma ao nariz, com intuito de estabelecer boa passagem de ar. O nariz também pode ser dividido em regiões que levam nomenclaturas específicas, para facilitar sua descrição externa e possíveis alterações de acordo com o local e estrutura anatômica que o compõe. As principais seriam:

  • Ponta nasal: região mais à frente do nariz em relação ao restante da face. É formada por duas cartilagens, chamadas de cartilagens laterais inferiores, e sua aparência externa pode variar de acordo com o tamanho e a forma delas, além da espessura da pele.
  • Raiz nasal: região de maior depressão externa do nariz que se localiza, normalmente, no centro da face. Horizontalmente, fica entre os olhos e, verticalmente, fica entre o dorso nasal e glabela.
  • Dorso nasal: região mais externa do nariz que vai logo acima da ponta nasal até a raiz do nariz. É composto por cartilagem (cartilagem lateral superior), em sua porção mais à frente e de osso (ossos próprios nasais), posteriormente.
  • Glabela: região mais protuberante, logo acima da raiz nasal e entre os supercílios.
  • Giba osteocartilaginosa: termo usado para o aumento localizado do dorso nasal. Uma das maiores queixas estéticas dos pacientes, principalmente de perfil.
  • Columela: “parede” que divide as duas narinas, que começa acima do lábio e vai até a ponta do nariz. É formada, também, pelas cartilagens laterais inferiores.
  • Base óssea: região óssea do nariz onde se inicia lateralmente na face, entre os olhos e maxilar.
  • Base alar: é a região que compreende as paredes laterais das narinas. Algumas vezes, adquire dimensão ampliada horizontalmente, o que pode incomodar alguns pacientes. Nestes casos, é indicada a Alectomia (cirurgia de caráter estético com objetivo de redução dessas paredes).

Como vimos, a anatomia do nariz é bastante interessante por envolver várias estruturas responsáveis tanto pela forma “arquitetônica” externa quanto pela fisiologia respiratória e olfativa. Portanto, estética e função nasal apresentam relação íntima. Esses fatos caracterizam a Rinoplastia (cirurgia plástica do nariz) como uma das mais complexas cirurgias quando se objetiva a homeostase (equilíbrio) de todas essas funções.